10 de setembro de 2008

NENHUM HOMEM É UMA ILHA... / NO MAN IS AN ISLAND...


“Nenhum homem é uma ilha isolada;
cada homem é uma partícula do continente,
uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar,
a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório,
como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria;
a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano.
E por isso não perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti”.
No man is an island, entire of itself
every man is a piece of the continent, a part of the main
if a clod be washed away by the sea,
Europe is the less, as well as if a promontory were,
as well as if a manor of thy friends or of thine own were
any man's death diminishes me, because I am involved in mankind
and therefore never send to know for whom the bell tolls
it tolls for thee.
John Donne (1572 - 1631) England

2 comentários:

Meg disse...

Caro Namibiano

"...a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano.
E por isso não perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti”.

Nada de mais verdadeiro, por mais que façamos por ignorar.
Um abraço

Educadora em Direitos Humanos disse...

Estimado Nambiano:gostei muito da sua página - linda e poética. Um espaço de reflexão para diferentes etnias. Aqui, no Brasil, trabalho com literaturasafricanas de língua órtuguesa. Se me permites, farei um link da tua página no meu blog (www.ggrauna.blogspot.com). Paz e bem, Graça Graúna