9 de outubro de 2007

CHE GUEVARA - 9 DE OUTUBRO DE 1967














O CULTO DE UM ICONE



A reprodução da imagem de Che Guevara em camisetas e pôsteres geralmente utiliza uma famosa pintura feita pelo artista plástico irlandês radicado nos EUA Jim Fitzpatrick a partir da foto tirada por Alberto Korda, que se tornou a segunda imagem mais difundida da era contemporânea, atrás apenas de uma imagem de Jesus Cristo.
A imagem do Che é mítica em toda a America Latina. Na localidade onde foi assassinado em 1967, ergue-se actualmente uma estatua em sua homenagem. Passou a ser conhecido na região como "San Ernesto de La Higuera
" e é cultuado como santo pela população local.
O atual regime cubano ainda hoje homenageia Che Guevara. Estas homenagens contribuiem para a imagem positiva do regime junto à sociedade
.






Biografia




Ernesto Guevara de la Serna nasceu em 14 de junho de 1928 em Rosário, importante cidade industrial Argentina ao norte de Buenos Aires.
Ernesto tinha dois anos quando sofreu o primeiro ataque de asma. Esses ataques de asma sofridos por Ernesto durante a infância foram muito violentos e em vista do menino não melhorar, os médicos aconselharam uma mudança de ares.
Foi assim que, em 1932, contava Ernesto quatro anos, a família mudou-se para a região de Cordoba, no centro da Argentina, que na altura não era ainda a zona industrial que hoje é. Radicaram-se em Altagracía, uma pequena estância de veraneio, não muito longe da cidade de Córdoba. Viviam numa casa de estilo inglês, uma cottage chamada Villa Nidia.
A sua educação primaria, devido à asma foi-lhe dada pela mãe. Em 1941, contava Ernesto doze anos, a família mudou-se para a cidade de Córdoba. Foi titular do primeiro time de juniores do Velez Sarsfield.
Por volta dos 12 ou 13 anos lia frequentemente. A família possuía uma vasta biblioteca, cerca de três mil volumes. Sabe-se que leu Julio Verne, Alexandre Dumas, Baudelaire, Neruda e Freud aos 15 anos. Em 1944, os negócios da família de Che vão mal e Ernesto emprega-se como funcionário da Câmara de uma vila nos arredores de Córdoba para ajudar as finanças em casa, sem deixar, contudo, de estudar.
Em 1946 terminou o liceu. Os Guevara mudaram-se para Bogota e Ernesto ingressou na universidade. Continuando a situação economica a deteriorar-se, foram obrigados a vender com prejuízo a plantação de coca que tinham desenvolvido. Na capital, Ernesto empregou-se outra vez como funcionário municipal e mais tarde numa tipografia, continuando, não obstante, o curso de medicina. Houve um período durante o qual trabalhou como voluntário num instituto de pesquisas sexuais, então mantido pelo partido comunista. Nesse ano de 1946 foi chamado ao servico militar, que, ironicamente, o recusou por inaptidão física.
Depois da Segunda Guerra Mundial, com a vitória dos aliados, a oposição a Juan Domingo Peron ganhou novo ânimo. Os estudantes constituiram a sua chamada mais aguerrida. Guevara participou nessas lutas.
Fez uma viagem, começada de bicicleta e terminada a pé, pelas províncias argentinas de Tucuman, Mendoza, Salta, Jujuy e La Rioja, na qual percorreu diversos resorts Andinos.
E em 1951, ainda não tinha terminado a formatura em Medicina, iniciou, com Alberto Granado, uma grande viagem pelo continente na velha moto do companheiro conhecida pelo nome de "La Poderosa". Nessa viagem, Guevara começa a ver a America Latina como uma única entidade economica e cultural. Visita minas de cobre, povoações indígenas e leprosários, interagindo com a população, especialmente os mais humildes. De volta à Argentina em 1953 acaba os estudos de Medicina e passa a dedicar-se à politica.
Em julho de 1953, inicia sua segunda viagem pela America Latina. Nessa oportunidade visita Bolivia, Peru, Equador, Colombia, Panama, Costa Rica, El Salvador e Guatemala.
Foi por causa da visao de tanta miseria e impotencia e das lutas e sofrimentos que presenciou em suas viagens que o jovem Ernesto Guevara concluiu que a única maneira de acabar com todas as desigualdades sociais era promovendo mudanças na política administrativa mundial.
Che Guevara teve várias alcunhas. Enquanto jogador de futebol, era conhecido como Fuser, uma contração de "El Furibundo" e seu sobrenome materno "Serna" - por seu estilo agressivo de jogo. Para os companheiros de guerrilha, era apenas "el chancho", o porco, porque não gostava de banho.



Guerrilha e morte




Ele parte primeiramente para o Congo. Após o fracasso dos combates no Congo, parte para a Bolivia onde tenta estabelecer uma base guerrilheira para lutar pela unificação dos países da America Latina. Enfrenta dificuldades com o terreno desconhecido e em conquistar a confiança dos camponeses. É finalmente cercado e capturado em 8 de Outubro de 1967 e executado no dia seguinte pelo soldado boliviano Mário Terán, a mando do Coronel Zenteno Anaya, na aldeia de La Higuera. Os boatos que cercaram a execução de Che Guevara levantaram dúvidas sobre a identidade real do guerrilheiro, que utilizava documentos uruguaios falsos. A confusão estabelecida em torno do caso culminou no desaparecimento do seu corpo, que só foi encontrado trinta anos depois.
Em 1997 seus restos mortais foram encontrados por pesquisadores numa vala comum, junto a outras ossadas, na cidade de Vallegrande, a cerca de 50 Km de onde ocorreu a sua execucao. Suas ossadas estavam sem as mãos, que foram amputadas (para servir como troféu) logo após a sua morte. Seus restos mortais foram transferidos para Cuba.





IRONIAS
1-
A verdadeira morte
De Che Guevara
É
(tão pouca sorte)
Ser hoje vendido
Estampado em lucrativas
T-shirts capitalistas.

2-
A revolução
não é
a força do ideal.
É, em si mesma,
a morte do Ideal.


(D’aprés um poema de Maria Alexandre Dáskalos, A revolução/é)

NAMIBIANO FERREIRA

Um comentário:

james disse...

Muito interessante.

Um abraço.